sábado, 7 de maio de 2011

Hurdy Gurdy – Hurdy Gurdy (1971) [Denmark]



Neste disco notamos que os músicos tinham muita influência de blues e jazz no currículo. A esta base combinaram algumas pitadas de música oriental, o que gerou um interessante hard rock progressivo. A produção do grupo e do engenheiro de som Freddy Hansson realçou todos estes elementos que aparecem nas músicas, aliás, a maioria delas compostas pelo guitarrista Claus Bohling. O grupo era originário da Dinamarca e estava sediado em Londres, onde absorveram toda a efervescência cultural que ocorria na capital inglesa no início da década de 1970 e que aparece claramente na faixa Peacefull Open Space, uma música conduzida pelo hipnóti co toque de uma sitar, e que mostra toda versati lidade de Bohling e com uma percussão com timbres orientais, proporcionando um agradável efeito psicodélico. Porém, esta música é a única em que essas característi cas fi cam mais evidentes. Já nas faixas restantes o que prevalece é a veia rocker do guitarrista como na faixa que abre o disco, Ride On, com um riff que se desenvolve sobre uma base perfeita fornecida pelo baixista Torben Forne. No entanto, este riff lembra vagamente a clássica “Baby, Please Don’t Go”, que foi regravada por inúmeros arti stas diferentes entre eles Van Morrison e o grupo Budgie, somente para citar alguns. Nas faixas seguintes – The Giant e Tell Me Your Name – o guitarrista fornece uma amostra da sua capacidade instrumental e da suas qualidades como compositor, principalmente em The Giant, que apesar do seu início um tanto quanto esquisito, é um formidável hard rock. Essas duas mostram que a citação alheia na faixa inicial deve ter sido um pequeno acidente. Os elementos de blues citados anteriormente surgem na composição Babels Tower, onde temos uma suingada mistura de gaita e guitarra, formando um agradável blues com toques progressivos. A temperatura esquenta novamente em Spaceman e Lost in the Jungle, duas vigorosas amostras do hard rock da banda, sendo que na primeira, com bateria quebrada, forte marcação do baixo e um contagiante refrão – sem falar do peso que exala da guitarra e a segunda, já mais cadenciada e com um delicioso groove de baixo. Duas músicas que valem pelo disco inteiro. O disco encerra com um belo hard blues: You Can’t Go Backwards, que é um cover do original de Richie St. John e tem um bom desempenho vocal. O álbum foi gravado no ano de 1971, mais precisamente entre os meses de maio e junho e editado pela CBS inglesa. Um trabalho altamente recomendado, coeso, inspirado e que não teve a merecida atenção de público na época do seu lançamento original. Esta pequena maravilha foi relançada em CD pelo selo Background Records no final dos anos de 1990 com três faixas bônus, versão essa postada aqui no blog.

Fonte: Livro - Rock Raro - O Maravilhoso e deconhecido mundo do rock

1.Ride On (5:07)
2.The Giant (5:35)
3.Tell Me Your Name (4:27)
4.Peaceful Open Space (5:19)
5.Babels Tower (3:11)
6.Spaceman (4:22)
7.Lost In the Jungle (9:55)
8.You Can’t Go Backwards (4:00)

Bonus Tracks:

9.Chain Me Down (5:42)
10.Year Zero Now (3:06)
11.Improv (4:37)

Download: http://www.megaupload.com/?d=41TSYZR1

Um comentário:

  1. Cara, essa banda eu escutei a primeira vez quando eu era adolecente, fiquei impressionado com a viagem dos caras, pensei que seria fácil adquirir o album, logo descobri que era coisa de colecionador, para conseguir tinha que encomendar pra trazer de fora e uma nota preta.
    Quem viveu essa época sabe como agente sofria com a dificuldade de conhecer e adquirir obras como essa do Hurdy Gurdy. Valeu pessoal do "Esquina", continuem com este trabalho magnifico de postar estas obras-primas do Rock.
    Grande Abraço á todos.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...