terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Arkham - Arkham -1970-1972 (2002) [Belgium]




Ótimo canterbury experimetal, lembra um pouco bandas como Soft Machine e Egg, porém totalmente instrumental. Em relação aos grupos citados, o estilo do Arkham me soa como mais técnico e, às vezes, mais próximo do fusion. Suas músicas, embora algumas tenham certo improviso, são mais planejadas.
Arkham, além de ser uma cidade que aparece nos livros de H. P. Lovecraft, é a lendária banda belga na qual Daniel Denis (baterista e principal compositor do Univers Zero) e Jean-Luc Manderlier (tecladista do Magma da época do MDK) tocavam. O Arkham fez várias pequenas apresentações na Bélgica e se dissolveu em 1972, quando Christian Vander (Magma) convidou Denis e Mandelier para seu grupo, o que ocorreu antes de gravarem o primeiro disco. Mandelier permanesceu no Magma por mais de um ano, enquanto Denis fez apenas umas poucas apresentações. Posteriormente, Daniel Denis fundaria o Necronomicon, que mudaria de nome para Univers Zero.
Em 2002, a gravadora Cuneiform lançou o disco Arkham, cujo material é proveniente de algumas gravações ao vivo das apresentações do grupo, ocorridas entre 1970 e 1972. A qualidade de gravação realmente não é das melhores e varia um pouco de música para música; mas, em geral, elas têm praticamente o mesmo nível de qualidade do Third do Soft Machine.
Por somente agora ter sido lançado este disco, imaginava que ele só teria valor histórico; mas estava completamente enganado: a qualidade artística é ótima. Também contrariamente ao esperado, o estilo do Arkham difere muito do Univers Zero, pois todas as músicas são compostas pelo Jean-Luc Mandelier. Somente em Tight Trousers encontro uma espécie de marcha em estranho tempo que me lembra Univers Zero, e parece ser inspirada em Stravinsky.
A bateria rápida e precisa de Daniel Denis é uma constância neste disco, exceto em "Bleriot: visibility poor", que é inteiramente tocada por teclados dissonantes. Não há uma música sequer neste disco que não seja muito boa, todas são incrivelmente bem tocadas, são bastante elaboradas e "quebradas". Recomendo enfaticamente este disco para quem aprecia o lado experimental do progressivo (especialmente do canterbury).

1.Upstairs in the granary (5:11)
2.Eve's eventuful day (part 5&6) (3:22)
3.Monolitic progression with antecipated rupture (8:00)
4.Brussels shortly after (8:30)
5.Bleriot: visibility poor (8:18)
6.With assays of bias (10:21)
7.Eve's eventuful day (part 3) (4:45)
8.Riff 14 (8:48)
9.Tight Trousers (4:37)

Download: http://www.megaupload.com/?d=A0KDSSLA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...