terça-feira, 27 de outubro de 2009

Happy The Man - Crafty Hands (1978) [USA]



Formada em 1974 pelo tecladista Kit Watkins (também conhecido por rápida passagem no Camel), Frank Wyatt, Stan Whitaker e Rick Kennell, a banda surgiu com o nome tirado a partir de um antigo single do Genesis. A partir de alguns contatos a banda chama a atenção de Peter Gabriel, quando consegue um bom contrato com a Arista, lançando no ano de 1977 o primeiro disco auto-intitulado Happy the Man. Para a formação que viria a gravar Crafty Hands, a mudança é o baterista Mike Beck que sai dando lugar ao excelente Ron Riddle.
Crafty Hands foi lançado em uma fase na qual o rock progressivo começava a mostrar nítidos sinais de decadência. O destaque inevitável é o trabalho do virtuoso tecladista Kit Watkins, com formação em música clássica e influenciado por Jan Hammer, junto ao baterista Ron Riddle. Happy The Man traz uma mescla de space-fusion e sofisticado progressivo sinfônico na linha de Yes, Camel e Gentle Giant, arranjos com densas camadas de teclados e guitarras alternando momentos bem viajantes com quebradeiras complexas. O disco ainda é bastante marcado por compassos de divisões ternárias.
A linda Service With A Smile foi uma excelente escolha para abrir o disco, deixa a impressão de que um trabalho primoroso está por vir.
Bons momentos também são encontrados em Ibby The Way It Is, Streaming Pipes, trazendo uma sonoridade meio Dixie Dregs. Com exceção de Wind Up Doll Day Wind, uma excelente música que lembra um pouco Genesis, o disco é quase totalmente instrumental.
Open Book é uma das melhores do disco, traz lindos sons de recorder e cravo, bastante folk em uma sonoridade medieval, ao mesmo tempo complexa e viajante.
I Forgot To Push It traz frenéticas quebras de tempo mas imagino que seria bem melhor se abrisse espaços para improvisos e tivesse alguns minutos a mais. Trazendo músicos tão virtuosos talvez esse seja um dos pecados deste disco, em alguns momentos estes parecem muito presos na busca de uma execução precisa, além de eventualmente buscar uma sonoridade space muito etérea e asséptica carecendo de maior energia, vibração e emoção, como acontece em Morning Sun e The Moon, I Sing. Quem souber lidar com esse pequeno revés vai se deparar com um disco maravilhoso.
Como pode ser observado a partir da diversidade presente em Open Book, Streaming Pipes e Wind Up Doll Day Wind, Crafty Hands não se mostra um disco muito coeso musicalmente, mas a qualidade das composições, a precisão e o nível técnico são mantidos sempre muito elevados. Esse disco pode não ser uma obra-prima mas certamente está entre os melhores discos produzidos nos EUA durante os anos 70 em termos de qualidade, bastante recomendado.
No ano de 1999 a banda voltou à ativa e participou do Festival NEARFest trazendo praticamente a mesma formação de Crafty Hands: Stan Whitaker, Frank Wyatt, Rick Kennell, Ron Riddle e uma surpresa, David Rosenthal substituindo Kit Watkins, considerado uma das peças mais importantes do grupo.

1.Service With A Smile (2:42)
2.Morning Sun (4:05)
3.Ibby It Is (7:51)
4.Steaming Pipes (5:42)
5.Wind Up Doll Day Wind (7:10)
6.Open Book (4:54)
7.I Forgot To Push It (3:03)
8.The Moon, I Sing (Nossuri) (6:16)


3 comentários:

  1. Baixei o cd do Steve Morse (1989), qual é senha do arquivo winrar amigo? Obrigado pela atenção!
    Muito bom o blog!
    Valeu!

    ResponderExcluir
  2. Olá amigo, acabei de descobrir a senha aqui!
    A senha do arquivo é:
    "-21grams" (sem parenteses)
    Valeu!

    ResponderExcluir
  3. Olá, eu já deveria ter colocado essa senha do Morse a um bom tempo, mas ainda bem que você descobriu sem nenhum problema.

    Abraço.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...